A Secretaria de Saúde de Lagoa Seca começou nesta segunda-feira (23), a Campanha Nacional de Vacinação contra o Vírus Influenza. As doses estão disponíveis em todos os postos de saúde do município.

No Centro de Saúde Manoel Jácome, o horário de atendimento é a partir das 07h às 11h e a tarde das 13h às 17h. Nos demais postos de Programa Saúde da Família (PSF) a vacina está disponível das 7h30 até as 15h30. A estimativa é atender cerca de 90% da população, com cerca de 6.124 doses.

Poderão receber a vacina crianças de 06 meses a menores de 5 anos; gestantes; idosos a partir dos 60 anos; mulheres de até 45 dias após o parto; trabalhadores de saúde; população privada de liberdade; funcionários do sistema prisional; professores da rede pública e privada; pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e pessoas portadoras de outras condições clínicas especiais (doença respiratória crônica, doença cardíaca crônica, doença renal crônica, doença hepática crônica, doença neurológica crônica, diabetes, imunossupressão, obesos, transplantados e portadores de trissomias).

Para a coordenadora de imunização do município, Danielle Medeiros, a ação é extremamente fundamental para a saúde das pessoas. “Nós alertamos que a vacinação não isentará o indivíduo da gripe, mas a vacina irá prevenir as complicações da mesma”, explicou a coordenadora, que pediu que a população buscasse os postos de saúde para a vacinação, onde estão disponíveis todos os dias.

A campanha de vacinação segue até o dia 1º de junho. Para garantir o uso é preciso portar os documentos necessários que são: documento com foto, cartão do SUS e cartão de vacina.

A influenza ou gripe é uma infecção aguda do sistema respiratório, ocasionada pelo vírus influenza, com elevado potencial de transmissão. Inicia-se com febre, dor muscular, e tosse seca. Em geral, tem evolução por período limitado, em geral de um a quatro dias, mas pode se apresentar forma grave.

A gripe propaga-se facilmente e é responsável por elevadas taxas de hospitalização. Idosos, crianças, gestantes e pessoas com doenças crônicas, como diabetes e hipertensão, ou imunodeficiência são mais vulneráveis aos vírus.