A equipe de professores e cuidadores da educação inclusiva do município participou, na manhã desta quarta-feira (24), do segundo encontro de formação em Língua Brasileira de Sinais (Libras) que aconteceu na Câmara de Vereadores. Os encontros mensais capacitam os profissionais da educação para a vivência prática e a comunicação com as crianças surdas.

A formação didática teve condução do graduando do sétimo período do curso superior em Libras pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Wêndalo Gomes, e da intérprete Suênia Madalena.

Durante toda manhã, o público presente recapitulou o que foi ministrada na aula passada, bem como a história de Libras e a datilologia, que é o alfabeto manual ensinado através das mãos e dos dedos.

Logo em seguida, foi abordado, através da palestra, os parâmetros da Libras, os classificadores (imitação do real), as saudações, alguns nomes de animais, dias da semana, meses do ano, cores e entre outros.

“O município conta atualmente com seis crianças surdas dentro de sala de aula, número que tem a nossa responsabilidade e o trabalho em propor aos professores a buscarem uma formação e estabelecer uma comunicação adequada com as nossas crianças”, comentou a coordenadora da educação inclusiva, Joelma Costa.

A cuidadora Cláudia Maria, da escola José André da Rocha, situada na comunidade do Jenipapo, tem o trabalho de monitorar um aluno surdo que a escola tem

“Quando ele chegou à escola, não sabia de nada. Não sabia contar, não conhecia as letras do alfabeto. Fiquei sensibilizada com a sua história e, de forma autodidata, estudei um pouco da língua de sinais na internet para ensiná-lo. Agora, tenho buscado formações presenciais para agregar ainda mais. Posso dizer que estamos aprendendo um com o outro”, disse.