O primeiro semestre de 2020 gerou um saldo positivo para o homem do campo. Isso foi possível graças aos investimentos da prefeitura cujos serviços envolvem o corte de terra, construção e recuperação de barreiros e barragens na zona rural do município. Os números, comparados ao mesmo período do ano passado, apontam um aumento das ações e revelam o trabalho intenso do governo municipal em levar melhorias ao agricultor lagoassequense, ainda que haja uma pandemia em curso.

De acordo com os dados da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, entre janeiro e junho deste ano foram quase 1500 horas de trator cortando terras – 1367 horas no mesmo intervalo no ano passado – um benefício que atingiu mais de 450 famílias, possibilitando-as a prepararem o solo para o plantio e chegada das chuvas.

(Serviço de corte de terra oferecido pela prefeitura; Imagem: Divulgação)

Já a máquina escavadeira também foi bem utilizada quando o assunto tratou-se da construção ou recuperação de pequenos e médios barreiros. Foram 145 reservatórios novos ou revitalizados pela prefeitura só no primeiro semestre deste ano – 97 a mais nesse ínterim, em comparação a 2019 – revelou a pasta. Esse tipo de trabalho tem a iniciativa de assegurar ao produtor rural o armazenamento de água em sua propriedade, o que o ajuda nos empenhos relacionados à agricultura, além de amenizar os efeitos da estiagem para os moradores.

(Governo garante investimentos a agricultores através de construção e recuperação de pequenos e médios barreiros; Imagem: Divulgação)

O prefeito Fábio Ramalho comemorou ao saber do levantamento feito pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento. Segundo ele, há uma forte evidência de que a gestão honrou, e vem honrando, sua lealdade com os agricultores, já que foi um grupo que não vislumbrou tantas melhorias em gestões municipais passadas. Fábio também afirmou que continuará olhando para a zona rural e investindo em quem mais precisa.

Embora tais atividades supram a necessidade dos que têm terra e dela vivem do seu sustento, muitas famílias, ainda que residam nas áreas rurais de Lagoa Seca, não dispõem desses terrenos para plantação. É por isso que carros-pipa abastecem cisternas com água potável, garantindo a subsistência de muitos lares afora. A prefeitura, através de recursos próprios, já encheu aproximadamente 600 cisternas, só nos seis primeiros meses deste ano. O governo também desenvolve, em outros momentos, a mesma ação em parceria com o Exército.